sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Histerossalpingografia



Na histerossalpingografia, é colocado um cateter no orifício de entrada do colo do útero e, por esse cateter, é injetado um contraste radiológico.

A radiografia 1, mostra o cateter e o útero já contrastado.
Com a introdução de mais contraste, começam a aparecer as trompas (tubas), bem visíveis na radiografia 4.

Nas radiografias 5 e 6, o cateter foi retirado e o contraste saiu do útero, mas não das trompas. Neste caso, existe uma obstrução tubária, e a paciente poderá obter gravidez por procedimento in vitro.

Neste tipo de exame, além de problemas das tubas, podem ser evidenciadas alterações da cavidade do útero, que podem acontecer como consequencia de miomas ou curetagens prévias, por exemplo.

Além disso, a disposição anatômica do útero e tubas pode permitir levantar a possibilidade de que tenham ocorrido processos inflamatórios (ou endometriose), levando a aderências que alteram a anatomia local. Neste caso, a confirmação se faz apenas através de procedimentos cirúrgicos (laparoscopia).
Fonte: Unifesp

Um comentário:

Dan disse...

Faço o exame ainda este mês, junho de 2009! E sinto que a graça de Deus irá pairar sobre mim! Hei de conceber para honra e glória do Meu Deus! Senhor eu creio, mas aumente a minha fé.